Parte IV

FLUMINENSE FAZ DO RIO A CAPITAL
DO POLO AQUÁTICO NO BRASIL

O trabalho de desenvolvimento e reforma começou em 1998. Com o apoio incondicional dos veteranos da modalidade, a visão de crescimento do técnico, e hoje coordenador, Carlos Carvalho, o Carlinhos, somada à determinação e união dos jogadores, atraiu a atenção do ex-jogador de Polo Aquático do clube Zeca Oliveira, apaixonado pelo esporte.

  • Marcelo Chagas - Foto: Sergio Moraes
  • Foto: Cristiana Carvalho
  • Carlos Carvalho - Foto: Satiro Sodré
  • Rodrigo Prujansky - Foto: Satiro Sodré
  • César Queiroz - Foto: Satiro Sodré
  • Beto Seabra - Foto: Sergio Moraes
  • Foto: Sergio Moraes
  • Gabriel Reis - Foto: Sergio Moraes
  • Kiko Perrone - Foto: Sergio Moraes

O projeto audacioso de avançar saiu do papel quando Zeca, no comando do BNYMellon, um dos principais bancos de investimentos do mundo, e a Equipe do Fluminense resolveram dar um exemplo de que a parceria entre esporte e iniciativa privada pode render resultados mais positivos.

  • Técnico Carlos Carvalho | Foto: Satiro Sodré
  • Foto: Satiro Sodré
  • Gabriel Reis | Foto: Satiro Sodré
  • Leo Sottani Foto: Satiro Sodré
  • Kiko Perrone Foto: Satiro Sodré
  • Andre Quito Foto: Sergio Moraes
  • Sunga BNY Mellon/Flu - Design: Yasmin Nunes Carvalho

O patrocínio veio em 2006 e com ele a tão sonhada profissionalização da modalidade. O time passou a trazer além das cores, do respeito e do orgulho de representar o Tricolor das Laranjeiras, a assinatura do banco. Passou a jogar sob a bandeira Fluminense-BNYMellon.

  • Foto: Satiro Sodré
  • Foto: Sergio Moraes
  • Foto: Sergio Moraes
  • Rodrigo Prujansky | Foto: Sergio Moraes

A reedição da Era de Ouro já havia começado. O patrocínio possibilitou a vinda de jogadores internacionais de renome, que proporcionaram o aumento em ritmo acelerado do nível técnico e tático e contribuíram para o maior dinamismo dos treinos e partidas disputadas. E assim, mais uma vez, o Fluminense serve de modelo para que outros times pelo país o sigam. Além disso, o trabalho sério reinsere o clube das Laranjeiras no cenário mundial da modalidade. O Brasil volta a ter atenção no Polo Aquático, o Fluminense é referência nacional lá fora e atletas de reconhecimento e prestígio internacionais têm interesse e se orgulham de vestir as cores verde, grená e branca, em sungas e toucas.